quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Sr. e Sra.

Lá venho eu com tema polêmico de novo... rsrs

Vários blogs já abordaram o tema, mas eu nunca falei sobre isso aqui, então lá vai: mudar ou não mudar o nome no casamento??

A minha amiga/noiva/madrinha veio contar que o noivo ficou mega sentido porque ela disse que não queria mudar o nome. E aí, o que fazer nessa situação?

Parei para pensar e me dei conta de que nunca sequer discuti o assunto com o marido! Eu nunca tive a pretensão de mudar mesmo, ele também não falou nada... e aí ficou tudo do jeito que estava. Mas sei que a questão é delicada, então vamos lá.

Muita gente ainda muda o nome, é verdade, mas cada vez mais meninas têm decidido não alterar. As razões são as mais diversas possíveis! No meu caso, eu jamais alteraria meu nome se ele não alterasse também, porque acho um tremendo machismo só a mulher acrescentar o nome do marido, como se passasse a ser propriedade dele (eu sei, eu sei, tô pegando pesado...). Mas mesmo que ele alterasse, não gostaria de alterar o meu, pelo simples motivo de que AMO meu nome e acrescentar qualquer outro o estragaria! (pegando pesado de novo...) Sei lá, acho que perderia minha identidade, sabe? Sou muito feliz com meu Konrath Wolff, nome bonito, imponente! rs Não conseguiria me desfazer de nenhum dos dois e acrescentar outro quebraria a sonoridade e o deixaria muito grande, e eu odeio nomes grandes, muito trabalho pra assinar! hehe

Além dessa questão existencial, rs, considerei também a trabalheira que ia ser mudar toooodos os documentos. Identidade, CPF, passaporte, OAB, carteira funcional e mais zilhões de outras coisas que a gente vai lembrando/descobrindo com o tempo!

Fora isso, vejo meninas desistindo de mudar o nome por conta da buRRocracia dos cartórios. Cada cartório faz o que bem entende, alguns deixam suprimir qualquer sobrenome, outros só deixam o último, outros só deixam acrescentar sem tirar nada... Enfim, é uma verdadeira baderna. (ponto negativo para o Tribunal de Justiça do Rio, que deveria regulamentar e fiscalizar isso)

Agora um argumento bonitinho que chegou a me balançar: se você coloca o nome do marido, dá uma sensação maior de que estão realmente formando uma família, de que agora vocês serão uma entidade, a família Fulana. E o exemplo que me balançou: se eu faço uma reserva de hotel, especialmente no exterior, fica marcado pelo sobrenome, certo? Aí a recepcionista fala Sr. e Sra. Wolff, ou Sr. e Sra. Araújo, e um dos dois vai se sentir excluído, porque não temos um nome em comum para dar! É meio estranho isso, confesso, ainda mais que na minha casa sempre foi família Wolff, porque minha mãe incorporou o sobrenome do meu pai...


Enfim, acho que esse é um dos maiores dilemas do casamento, e não tem solução milagrosa. Se está na dúvida e o noivo faz questão, por que não? Mas se não quer se desfazer do seu nome, acha que vai perder a identidade, o jeito é conversar muito com o noivo, com toooodo o jeitinho, para mostrar a ele suas razões e explicar que isso não vai fazer de vocês mais ou menos família. Para as que querem ter filhos (acho que ainda a maioria, né!), vale lembrar que os filhotes terão os nomes de ambos, selando de vez essa união!

E vocês, mudaram/vão mudar o nome de solteira??

16 comentários:

Rebeca disse...

Eu não vejo o menor sentido em mudar o nome, mas eu tenho consciência de que a minha opinião é minoria nesse assunto e de que eu sou meio radical às vezes. Acho que já passamos dessa fase na humanidade de que a mulher era um acessório ou uma propriedade do homem e é isso que esse hábito de colocar o nome do marido me parece. Bjos.

Alana Tenório disse...

Oi Tati!
Pra mim não tem nada a ver ser ou não a propriedade do homem só por causa de um nome... Acho que opinião cada um tem a sua e cada pessoa que faça do seu jeito... Eu vou querer acrescentar com certeza. Não acho machismo. Meu nome vai ficar grande, mas não me importo. =)
Bjuss

Luh disse...

Oi Tati.....eu não vou mudar...percebi que o Wellington ficou meio assim..rs
Mais também penso na trabalheira que terei para mudar a papelada.
Então já estou mais que decidida que não irei mudar!

Beijos

Magda Estter disse...

Jamais mudaria se meu noivo também não mudasse. Ele quer muito que eu mude, mas não quero sem essa condição.
Além disso, o significado real de atribuir o nome do esposo ao da mulher é sim qualificá-la como propriedade. Ignorar isso é desconhecer a história!
Eu gosto do meu nome, ele é bem diferente, somente pessoas que são realmente da família do meu pai que possuem esse sobrenome, não gostaria de "estragar" meu nome com um sobrenome genérico. Por fim, os gastos e a morosidade na troca dos documentos também me desencorajam.

Shirlene e Eliseu disse...

Olha é um assunto bem questionado, no meu caso eu não quis tirar nenhum sobrenome meu só acrescentei um sobrenome do noivo e por fim meu nome completo ficou gigante, mais eu acho lindo nome grande...rsrsrs já minha irmã não mudou nada, continuou a mesma coisa foi oq ela quis, eu coloquei o nome do noivo pq realmente me sinto um família todos com um mesmo sobrenome!!!
Obs: até hoje não mudei nenhum documento meu, todos estão com nome de solteira!!! Beijos Flor!!!

Mari ♥ Thiko disse...

Não vejo problema nenhum em mudar, nem em manter o mesmo nome, acho que cada um deve fazer o que bem achar melhor
Não vejo isso como um machismo, dependendo da forma como o assunto for tratado entre ambos
Sinceramente ainda não pensei nesse assunto, mas sei que o meu noivo não vai fazer essa questão...
Vou pensar nas minhas possibilidade e depois escolho a que ficar mais bonitinha ^^

Beijinhos =*

Helen disse...

Eu não mudei não, pelo mesmo motivo que vc. Até propus o "coloco o seu sobrenome se vc colocar o meu sobrenome tb" (já que homens hoje podem adicionar o nome das mulheres tb). Ouvi um "Que bobeira! Essa não é a tradição!" (casar com nordestino as vezes é difícil, viu?! rsrsrs)
Além de achar antiquado e machista, também não quis trocar pois minha irmã e eu somos as únicas da família que temos o Harris (meu pai tem duas irmães, e ambas tiraram o Harris quando casaram). Ou seja, o Harris morre conosco! :( Acho isso super triste...
Já fiquei incomodada com o tal "ah, mas se eu não pegar o sobrenome do marido não seremos uma "unidade familiar"" Mas tá aí mais um problema: marido tem 3 sobrenomes! (os latinos/brasileiros que me perdoem, mas acho esse negócio de mil e um sobrenomes cafonérrimo!!! Dois é mais que suficiente!) Aí mesmo se eu pegasse só unzinho dele, mesmo assim não seríamos uma unidade familiar, já que eu seria Harris Ferreira (que soa mega tosco, coitados dos nossos filhos...) e ele continuaria com 3 sobrenomes, sem o Harris...ou seja, zero unidade familiar...aí abstraí desse problema...
O que vc mencionou, de na reserva, chamarem o marido pelo meu sobrenome, acontece DIRETO!!! Sempre sou eu que faço reserva de hotel, restaurante, etc, e sempre dou meu nome. Aí, uma vez, chamaram no restaurante "Mr and Mrs Harris" e marido surtou...ficou mega chateado, por que eu não dou o nome dele, bla bla bla...minha resposta "Quer ouvir o seu nome?! Então vc que passe horas pesquisando a porra do restaurante/hotel na Internet e faça a reserva no SEU nome. Eu sou sua mulher, não sua secretária!" Depois dessa, nunca mais reclamou... E hoje em dia, aqui nos EUA (e em países não-latinos), nas poucas vezes que ELE faz reserva, acaba usando o Harris, pois é bem mais prático de escrever/falar do que perder 15 minutos no telefone soletrando Teixeira Ferreira...kkkkkkk

Acho que a solução milagrosa seria os homens pararem de serem machistas e adicionarem o sobrenome das mulheres (e as mulheres adicionarem o sobrenome dos homens). Igualdade total e unidade familiar conquistadas de uma só vez! :)

Melina Senson disse...

Tati entendo perfeitamente sua opinião... Acho que tem que ser um assunto abordado pelo casal.
Não que eu faça questão não, mas é que acho legal pelo motivo que você até citou, o de achar que estamos formando uma família.
Eu vou mudar, não por obrigação, mas porque eu quero. Acho que assim eu me sinto mais dele...
O problema é que eu já tenho que soletrar o único sobrenome que eu tenho e colocando o dele vou ter que soletrar os 2, mas combina melhor Senson Cestari do que Senson Viana, né!
Um beijo!

Carolina disse...

Sabe que nunca "filosofei" muito sobre o assunto?
Acho que no final das contas mudei meu nome meio que automaticamente, por conta daquela coisa de desde pequena ficar treinando assinar o nome usando o sobrenome do bonitinho que era a paixonite da escola, sabe como?
Cheguei a comentar com o Elmo sobre ele adotar meu sobrenome, mas:
1. ele não chegou a conhecer meu pai, achou que não teria muito a ver
2. eles têm essa tradição de primeiros filhos se chamarem "Elmo Brandão", não queria estragar isso... =)

Beijão com saudade de você!!!

Anônimo disse...

Eu não mudei meu nome pelas mesmas razões e de vez enquando passo pela mesma crise da "unidade familiar" que vc comentou mas não me arrependo.
No meu caso ainda tenho um outro poblema: casei com gringo e me mudei pro país dele. Aqui, a mulherada simplemente tira o nome de solteira e fica só com o do marido. Imagina a crise de identidade que eu teria, de uma hora pra outra teria a impressão de que virei outra pessoa... Elas trocam até o e-mail do trabalho e abrem outra conta pessoal!!!É difícil até identificá-las depois...
Somente acrescentar me deu preguiça tb, porque o nome ficaria muito grande (já sou maria tralalá e tenho o sobrenome do meu pai e da minha mãe e jamais cortaria nenhum deles).
O maridão "diz" que entendeu perfeitamente mas de vez em quando fala que eu poderia "alterar futuramente", o que é super tranquilo onde moramos mas seria um pesadelo no Brasil ( não basta uma simples averbação na certidão,teria que iniciar um processo judicial e já vi ações que chegaram até o STJ sobre isso). Alterar lá e não aqui me deixaria com nomes diferentes nos dois países e como muitaz vez uso os dois passaportes nas viagens pra não precisar ficar pedindo visto, ficaria tudo muiro complicado, então deixa pra lá...
Nome dos filhos tb precisou se tema de conversa aqui, já que a tradição machista daqui faz com que todo 99% das famílias coloquem só o nome do pai... precisei deixar bem claro desde o início que nosssos futuros filhos terão o nome de ambos... Mas isso é assunto pra outro tópico...

Rebeca disse...

Muito bom o comentário da Helen! "Quer ouvir seu nome, pesquise e faça as reservas!" Coincidentemente eu e o Raoní temos o mesmo sobrenome, mas isso não influenciou em nada a minha escolha de não mudar meu nome e tenho certeza de que ele não faria a menor questão. O problema agora é pensar no nome dos filhos: "Fulano Teixeira e Teixeira" não rola mesmo! Bjos.

Beatriz Amaral disse...

Tati sempre polêmica! Bem vi meu argumento aí no texto, legal que tenha tocado no seu coraçãozinho! Rsrs! Mas a justificativa da Carol definitivamente foi a melhor, "paixonite da escola"! Hahahaha! Comédia!

Adorei também o argumento da Helen com o Tiago, antes de casar acontecia direto de vir o Mr & Mrs Amaral, já que eu sempre fazia as reservas. Mas isso nunca incomodou o Daniel, ele é bem tranquilão quanto a isso e me deixou bem a vontade para decidir se acrescentava ou não.

Todas têm a sua opinião bem definida já que essa decisão é muito particular e acho que o mais importante é respeitar o que cada uma pensa, por mais que a gente ache os argumentos os mais absurdos!

Beijocas e até domingo!

Karen Souza disse...

Ainda estou na duvida. Eu odeio meus sobrenomes, talvez eu mude, talvez não. Vou pensar nisso com o tempo,tenho mais de um ano pra me decidir hahaha.
Eu acho que cada um é cada um, se quiser mudar beleza, se não quiser beleza também.
É relativo.


Beijos

Biessa disse...

Concordo com vc, só mudaria se ele mudasse tb. E logo que resolvemos casar tocamos nesse assunto. ele disse que pra ele não fazia diferença então ficamos cada um com nossos nomes.
Sou super 'pra frentex' e não acho que faz diferença pra família eu ter os sobrenomes X e ele o Y. Quando tivermos filhos, reunimos os dois e tá beleza.
Além disso tem a questão burocrática de mudar os docs que eu nunca quis fazer.
Qdo começaram com esse papo de mudar o nome e eu disse que não mudaria teve gente que torceu o nariz. Mandei logo um fora. Século XXI! rs
Acima de tudo o maior motivo é que eu amo tanto meu nome e a sonoridade dele: Biessa Diniz Lopes Alves. Tudo termina com um som meio de S e a meu ver 'combina' rs.

Fabi disse...

Ahhh eu mudei!!! Não em arrependo. Acho legal pela questão de família e no meu caso foi mais por praticidade. Meu nome é extremamente comum, e com só um sobrenome, sofria horrores com homônimos. Para mim foi melhor, e ainda fiquei com outro F. Fabiana Ferreira Fernandes! rsrsrs Achei que ficou melhor!!!
Bjim

Lica Tsukino disse...

Olá, meninas!
Então, confesso que não pretendo mudar o nome. Se eu pudesse acrescentar o nome do noivo antes do meu último nome, ótimo! Mas não podendo, eu não gostaria de perder meu último japonês. Eu amo o fato de poder ir para as aulas de japonês e escrever meu nome em Kanji!
Na verdade, tem outro fator também. Meu nome ficaria Angélica dos Santos. É muito anjo e muito santo junto... Rsss...
Já meus dois filhos, que já existem na minha mente, e já têm nome, pré-nome japonês, sobrenome e último nome seriam fofos assim rsss.